Werewolf W20

Sessão 15 27/08/2014 - Guilherme (mestre)/Bruno

Cold Crow nasceu como um Theurge dos Uktena e os augúrios levavam a crer que ele seria um dos futuros líderes dos lobisomens nos tempos do apocalipse. Desde jovem, seus sonhos pareciam proféticos e ficara conhecido por sua crença de que o maior mal ao tellurian era a separação que havia entre o plano físico e o espiritual. Isso alimentava a força da Wyld, que por sua vez alimentava a loucura da Wyrm e essas por fim enfraqueciam a Wyld. Ele se embrenhara em diversas quests pela Umbra e através do mundo afora buscando conhecimentos e artefatos que pudessem auxiliá-lo em seu trabalho, mas suas buscas levaram-no perto demais de forças poderosas que acabaram por corrompê-lo. Ele sofreu um ritual da Voz do Chacal, mas não aceitou a punição. Rebelou-se contra sua tribo e sua seita, juntando-se aos Black Spiral Dancers. Cold Crow crescera rapidamente entre sua nova tribo, que não impunha limites para o que ele podia e não podia fazer. Avançou em conhecimento e poder. Foi reconhecido pelos seus pares e temido por seus adversários. Por motivos que poucos sabem aos certo quais foram, Cold Crow juntara-se ao cartel responsável pelo tráfico da Blue Sky.

Em certa ocasião, Ryan e sua parceira investigavam uma denúncia anônima de um assalto ao Museu de Cultura Ameríndia do Novo México. Lá foram emboscados por Cold Crow e seu bando, que ali estavam para roubar um antigo cachimbo dos índios Navajo. Durante a batalha, Ryan viu sua parceira ser alvejada e morta por eles, que acabaram conseguindo fugir com o ítem. Ninguém sabe ao certo se aquele era apenas um cachimbo antigo ou um fetiche perdido. Ryan tentou rastreá-lo, mas não conseguiu. Apenas soube que seu rumo agora era para Nova York, sob ordens dos chefes do cartel.

Ryan teve a impressão de tê-lo avistado durante a confusão nos fundos da festa da Ecstasy. Seguindo seus instintos, Ryan foi até a sede dos Pollos Hermanos em Nova York. Após muito procurar por ali, notou que um caminhão descarregava alguma coisa através de uma tampa de esgoto em um beco lateral ao prédio. Implantou um dispositivo de rastreamento no caminhão e descobriu que ele fazia um trajeto monótono: do cais para cá e de cá para o cais. Ryan abriu a tampa do bueiro e deu de cara com um grande funil que parecia ser o ponto onde o caminhão descarregava algum tipo de substância.

Ryan tentou infiltrar-se no prédio para acessar o subsolo, mas não conseguiu nada. Quando ia se retirando, notou que o motorista do caminhão adentrava no prédio principal por uma porta diferente daquela onde a mercadoria normalmente entrava. Foi até lá, mas esbarrou em uma trava de leitura biométrica que lia a digital do motorista.

Acabou decidindo voltar ao caern para conversar com os demais membros da matilha a respeito do ocorrido.

Comments

Guilherme Guilherme

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.